Economia

Por que o surto de Coronavírus na África parece mais lento do que o previsto?

2views

Especialistas em saúde alertaram sobre a devastação que o vírus mortal pode causar na África, onde a maioria dos hospitais está com falta de equipamentos e pessoal treinado.

Desde então, o coronavírus se espalhou para 52 países africanos, mas, apesar de um aumento constante no número de casos confirmados, o continente continua atrás da curva global de infecções e mortes.

Onde fica a África?

Até o momento, a nova doença respiratória infectou mais de 12 800 pessoas no continente e matou pelo menos 692, de acordo com uma contagem compilada pela AFP.

Apenas o arquipélago das Comores e o pequeno reino do Lesoto ainda não detectaram nenhum caso.

A África do Sul é o país mais afetado, com mais de 2.000 casos confirmados e 25 mortes registradas até agora – muito atrás dos mais de 871.000 casos e 71.000 mortes contados na Europa até o momento.

Especialistas, no entanto, alertam que a maré está subindo.

“Nos últimos quatro dias, podemos ver que os números já dobraram”, disse Michel Yao, gerente do programa de resposta a emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS) na África.

“Se a tendência continuar … alguns países poderão enfrentar um pico enorme muito em breve”, disse Yao.

O diretor da OMS para a África, Matshidiso Moeti, ecoou a preocupação, acrescentando que a disseminação do Covid-19 fora das principais cidades abriu “uma nova frente em nossa luta contra esse vírus”.

Os números são subestimados?

Possivelmente o maior ponto de interrogação nas análises de coronavírus na África, agravado por uma falta global de capacidade de teste.

Apesar da doação de mais de um milhão de kits de testes de coronavírus pelo bilionário chinês Jack Ma, a maioria dos países africanos não possui o equipamento necessário para detectar a doença.

Até agora, a África do Sul conseguiu testar cerca de 73 000 dos seus 57 milhões de habitantes.

“Isso é muito baixo para o tipo de desafios que a África do Sul está enfrentando”, disse o ministro da Saúde Zweli Mkhize, que pretende escalar até 30.000 testes por dia.

A Nigéria, a maior economia da África, realizou apenas 5.000 testes de coronavírus até hoje para um país de 190 milhões de pessoas.

“O sistema de testes está sobrecarregado”, admitiu um médico que trabalha em uma clínica particular em Lagos, que pediu para não ser identificado.

“Leva tempo para … os resultados”, acrescentou. “E eles são precisos? Nós não sabemos.”

A incapacidade de testar o vírus forçou vários países a trabalhar com estimativas vagas e, às vezes, enganosas.

O Quênia, por exemplo, previu que seu número de casos de coronavírus chegaria a 10.000 até o final de abril.

Dez dias no mês, o número de infecções detectadas permaneceu abaixo de 200.

O diretor-geral do ministério da saúde do Quênia, Patrick Amoth, disse nesta semana que era porque eles não haviam feito testes com base na comunidade.

Desde então, o Quênia recebeu 7.000 kits de teste e máquinas que podem processar até 3.000 amostras em duas horas. O governo pretende lançar testes em massa nas próximas três semanas.

“Utilizamos essas máquinas para atingir uma população maior, para podermos dizer … se estamos vencendo a batalha ou se precisamos mudar nossa estratégia”, disse Amoth durante uma entrevista na televisão no sábado.

O chefe dos Centros para Controle e Prevenção de Doenças da África, John Nkengasong, admitiu que as estatísticas de coronavírus da África estavam longe de ser “perfeitas”.

“Só nos falta os meios”, disse ele.

Mas Nkengasong rejeitou as alegações de que um grande número de infecções havia passado despercebido, apontando que os hospitais “seriam inundados de pessoas” se esse fosse o caso.

Os bloqueios e os toques de recolher funcionaram?

A propagação tardia do coronavírus deu aos países africanos alguma margem de manobra para implementar as mesmas medidas implementadas na Europa para conter a doença.

Os governos de todo o continente reagiram antes do tempo, fechando fronteiras e impondo bloqueios e toques de recolher quando apenas alguns casos foram detectados.

Essas medidas têm sido difíceis de aplicar em bairros pobres e densamente povoados, onde as casas estão superlotadas e a maioria sobrevive do trabalho informal – tornando quase impossível permanecer em casa.

Moeti, da OMS, alertou que é “muito cedo para dizer” se as medidas anti-coronavírus estão retardando a epidemia na África.

Enquanto isso, o presidente Cyril Ramaphosa disse no início desta semana que havia “evidência suficiente” para mostrar que um bloqueio em todo o país estava “funcionando”.

“Nas duas semanas antes do bloqueio, o aumento médio diário em novos casos foi de cerca de 42%. Desde o início do bloqueio, o aumento médio diário foi de cerca de 4%”, disse Ramaphosa na quinta-feira, ao anunciar uma extensão de o desligamento de 21 dias.

A África teve tempo suficiente para se preparar?

O tempo ganho pelos governos africanos poderia ser compensado pela falta de meios.

“Há uma escassez severa de instalações de tratamento para casos críticos do Covid-19”, afirmou um comunicado da OMS.

There are barely five intensive care unit beds per one million people in Africa, compared to 4 000 in Europe, according to the organisation.

Os hospitais públicos têm apenas 2 000 ventiladores médicos entre eles para servir todo o continente.

Ainda assim, ninguém se atreve a fazer previsões sobre as proporções que o novo coronavírus poderia atingir na África.

A OMS observou que 31 países do continente tinham menos de 100 casos confirmados e acreditavam que “a contenção era possível”.

No entanto, a ameaça permanece.

“O Covid-19 tem potencial para causar milhares de mortes”, disse Moeti, da OMS. “Para também desencadear devastação econômica e social”.

Fonte